Vai passar, prometo!

Amiga, vem cá. Vai sarar. Vai passar. Prometo. Mas antes de sarar vai doer muito. Vai doer como quando passa acetona naquele cantinho machucado do dedo, sabe?

Não… quem dera! Vai doer muito mais. Vai rasgar, vai te levar lá para longe, para o fundo, vai te fazer perder a FÉ no ser humano, vai te deixar trancada no quarto uns três dias seguidos, vai te engordar uns 2kg, vai te deixar pra baixo, amiga, eu sei.

Você vai me telefonar pra dizer que “foi a última vez que bebeu desse jeito” e que “não quer mais ver esse garoto nem pintado de ouro”, eu sei. E vai desabar de novo, porque tu é sentimental e as coisas não estão dando muito certo para o teu lado.

Mas olha só: RESPIRA. Eu te conheço, guria. Eu sei que tu vai voltar. Aquela fé enorme em dias melhores e cheios de amor e sorrisos vai aparecer! Sério. Confia em mim.

Vai ter muita coragem nesse peito, muita força de vontade nesse corpo, muita luz nesse coração, ô se vai…

Tô te falando, amiga!

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

Acompanhe! Snapchat @CadeMeuBlush

Flor.

Foi mal ter te mandado mensagem depois de tantos dias. Eu tô segurando as pontas aqui ao máximo, pode acreditar. Não tô agindo nem um terço do que estou sentindo. Não tô transparecendo nem um milímetrozinho do que tá passando aqui dentro. Eu tô te deixando ir, de verdade. Me esforçando por nós dois pra que você possa ser feliz sem qualquer tipo de peso te acompanhando. Tô tentando ser mulher de verdade e me policiando o tempo inteiro pra me colocar no meu lugar, me afastar da tua vida e ando me esforçando muito, constantemente pra não te incluir mais nos meus pensamentos, eu juro.

Venho usando toda a minha capacidade mental e espiritual para aprender a ser feliz com a sua felicidade, mesmo que longe da minha. Tô treinando minha energia interna pra voltar no tempo e conseguir te transmitir só aquele carinho leve de quem conhece o outro de longe e quer que tudo dê certo na vida dessa pessoa. Tô me esforçando de verdade pra torcer pra que teus planos deem certo e que as coisas aconteçam conforme você tá imaginando. Tô rezando pela gente para que possamos nos desprender de qualquer sentimento ruim e saibamos olhar pra trás um dia com um carinho bom por tudo que aconteceu.

Se eu parar um pouquinho eu lembro de você por inteiro, eu sinto o seu cheiro e sou capaz de ouvir a sua risada. Mesmo assim, pode não parecer, mas acredita… eu tô de verdade tentando largar essa história sem final no meio do caminho.

Mas, se porventura te mandei uma mensagem no meio da noite ontem, é porque, mesmo me empenhando em ser uma pessoa do bem e fazendo de tudo pra me afastar daquilo que não quero interferir, eu ainda continuo sendo só isso: a porcaria de um ser humano. Cheia de defeitos, que erra pra caralho, que tem sangue correndo nas veias e que às vezes é fraca também. Que pisa na bola, que tem vontade de chamar seu nome ainda no meio da noite, que espera debaixo do seu prédio por qualquer sinal seu.

Meu deus, como eu sou comum e normal. Então só por isso que te peço desculpas. Por ser assim tão de carne e osso e tão confusa e bagunçada. Ainda me dói muito, não faz nem uma semana que acordamos juntos, então só por favor, não me julga.

~ Eu sei que lá no fundo você sabe bem demais do que eu tô falando.

Eu te prometo continuar tentando me afastar de você. Mas, se eu falho as vezes é só porque sou humana (e porque você também não ajuda!) .

Eu aprendi a cultivar um amor enorme por você… Nunca vi uma flor demorar tanto pra murchar.

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

Orgulho de você!

“Esse é MEU pra vocês, guerreiros/as!”

Eu tenho um orgulho “filha-da-puta” desse teu jeito de respirar fundo e seguir em frente, garota. Eu sei que tua noite anterior foi foda e teve muita saudade nessa casa e que aqueles demônios de um ano atrás vieram visitar teu sono e te obrigaram a dormir ouvindo mantra para não chorar até de manhã e que teu olho pesou mais do que o normal…

Mas tu é foda! Tu acordou e foi pra Vida. E encarou já logo cedo aquilo que te deixa com o coração acelerado e que pode te tirar do eixo. Tu se testa o tempo todo e isso só te faz ainda mais forte, criatura.

Você mal começou o dia e já matou alguns leões, porque contigo não tem frescura, não tem meio termo: tu é intensa.

Nem todo mundo enxerga isso no teu rosto tranquilo mas… você vem fazendo um esforço danado para ser mulher de verdade e eu só queria dizer que:

eu tenho um puta orgulho de você!

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

Eu cuido, sério.

Desfaz essas malas, desliga o carro e me dá aqui todo o peso da sua incerteza. Eu cuido, sério.

Eu tô aprendendo a ser cada dia mais madura, mais mulher, mais atenta; porque eu sei que eu posso sim, ser tudo aquilo que você precisa e esse é o tipo de meta bonita na qual vale a pena acreditar.

Minha solidão e meus medos eu guardei em uma caixinha. Não quero mais remexer neles, por mais que ainda me assombrem em domingos tristes. Mas eu não vou pedir “arrego”, muito menos fraquejar e ficar pedindo muito de você o tempo todo só porque algumas cicatrizes ardem mais em dias assim.

Você já me conhece e já sabe o que me dói, então quando puder, eu sei que vai cuidar de mim e me fechar os machucados como faz com tanta facilidade sem nem perceber. Nunca foi uma questão de “pedir”, porque carinho é o tipo de coisa que não se mendiga, jamais. Sempre foi uma questão de ser você mesma e esperar que o outro queira ser ele mesmo junto de você. Simples assim.

E aí sim, vocês dividem a cama, os cheiros, os colos, as conversas, os olhares, as confidências e os planos. Você não sabe bem ao certo como classificar o que existe e, muito menos explicar porque é incrivelmente simples e fácil formar um “par” com o outro. Mas é assim. Depois que passa a tempestade, as esperas e os dias longos demais, você deita sua cabeça cansada no peito do outro e pensa feliz:

“Obrigada por não ter desistido de verdade de mim naquele mês de agosto… porque eu também nunca desisti de você.”

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

123456
123456
123... 6