MEUS OMBROS FORTES

Às vezes é preciso ser um pouco mais paciente com a vida. Compreender que as coisas acontecem exatamente como devem acontecer. Parece que não… mas existe aí um tipo de caminho certo que a gente vai trilhando mesmo todo torto.

É necessário compreender que se desesperar e deixar a ansiedade tomar conta não vai adiantar de nada, vai piorar tudo, vai fazer você meter os pés pelas mãos o tempo todo, vai te fazer chegar antes de todo mundo aonde você nem deveria ter ido, vai atropelar o fluxo do que a Vida preparou para ti e você nem vai perceber, porque “tá lá”: com uma maldita ideia fixa na cabeça que não te deixa respirar em paz, olhar para os lados, contemplar teus dias sem tanta necessidade de maiores explicações.

O tempo esclarece as coisas e te amadurece na hora certa. É sério. Hoje eu consigo aceitar que as rachaduras não eram possíveis de serem consertadas quando eu queria, simplesmente porque ainda não era a hora. Simples assim. Com as cicatrizes a mesma coisa…tinham que arder. Faz parte do processo de cura.

Mas que bom que é sentir a brisa fresca do amadurecimento, depois de mais uma dose de pauladas. Eu agradeço os meus ombros fortes, e rezo para que se fortaleçam todos os dias:

A gente nunca sabe quando será a próxima queda.

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

Acompanhe! Snapchat @CadeMeuBlush

DIAS CINZAS

Te procurei para dizer que esses dias vêm sendo difíceis, que essa semana passou a c-o-n-t-a-g-o-t-a-s e que o medo me engoliu mais vezes do que eu achei que ele ia conseguir, afinal o tempo está passando e eu bem preciso aprender a amadurecer com o correr das horas, certo?

Meio que já era para as coisas estarem no seu lugar.

Mas acontece que a falta de ar continua fazendo parte da minha rotina. Sabe como é né… não é que você queira sentir certos socos no estômago, não é como se você pedisse para que o céu desbotasse e a garganta ardesse… é algo que vai além do seu controle.

Eu vi que você passou, até nos esbarramos, mas me faltou a coragem de te puxar pela gola da camisa e dizer umas “poucas e boas”. Meus pensamentos estão confusos nessas últimas semanas e eu não quero jogar em ti o peso da minha dor.

Então, quando passar por mim durante esses dias cinzas que me acompanham, me oferece um vinho seco ou uma cerveja gelada e me tira desse sonho ruim?

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

SERENIDADE PARA O CORAÇÃO

Não existem relacionamentos perfeitos. Existem pessoas que se esforçam, que se importam, que respeitam o espaço do outro e comemoram suas vitórias.

Não existem contos de fadas – se você quiser acreditar, tudo bem, não estou aqui para destruir a sua fé no príncipe encantado – mas o que existe na vida real são relacionamentos honestos, sinceros, que buscam dormir em paz ao lado do outro no final do dia: pois se amam, se sabem, se reconhecem.

Então, não procure constantemente por algo sublime, inexplicável, enigmático, extraordinário, misterioso: essa sua busca está fadada ao fracasso desde já.

Procure se aproximar de pessoas que te amam e querem o teu bem. Isso dá paz de espírito, traz uma leveza para os dias, uma calma para nossa mente barulhenta, uma serenidade para o coração.

E isso é tudo que importa, meus amores.

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

É MESMO COMPLICADA.

Eu nunca prometi ser perfeita. Eu nunca quis ser. Eu gosto da mudança, eu gosto do jeito que a vida me testa, eu PRECISO disso.

Eu decididamente não pretendo ser melhor do que ninguém. Busco me superar a cada dia e isso já exige um esforço do “cacete” e uma dedicação “fodida”. Já tentou? Ser menos escrota do que se era a um dia atrás? É foda.

As pessoas abusam da minha paciência o tempo todo, quase me fazem perder a fé no ser humano, quase que eu largo tudo e mando um “FODA-SE” bem grande, quase que eu desisto de tentar cuidar de mim.

Mas não desisto. Não sou perfeita, lembra? Você também não é. Por isso eu entendo seus ataques gratuitos, eu compreendo suas crises imotivadas, eu respeito sua falta de tato para lidar com o dia a dia e aceito suas explosões semanais: essa coisa de viver sem enlouquecer é mesmo complicada.

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

12345678910
12345... 10
123... 10