NUNCA SERIA.

Talvez um dia você perceba que eu ter virado seu mundo de cabeça para baixo jamais foi um erro: foi um presente. Poucas pessoas conseguem chegar tão perto de quem eu verdadeiramente sou, mas o esforço quase sempre vale à pena.

Talvez em um futuro bem próximo, você perceba que não foi um erro se apaixonar por mim. Que nunca seria. Que se apaixonar por mim foi a coisa mais bonita que te aconteceu nos últimos anos e que jamais seria possível se culpar por isso, que ninguém te apontaria o dedo, que alguns talvez invejassem a sua capacidade de amar como um adolescente de novo. Mas seria só isso.

Talvez você passe o resto da vida se perguntando como seria “se”… Enquanto eu tenho A certeza no peito de “que seria incrível, porque seria a gente”. Talvez se você tivesse tido um pouco mais de paciência, teria compreendido de verdade aquela frase batida que: “não adianta tentar tirar da cabeça o que está dentro do coração”.

E aí, pudéssemos, quem sabe, finalmente, andar em barcos e dormir em redes. Ser felizes com a intensidade que todo ser humano merece: de verdade. De dentro para fora, nos olhos cheios d’água, nas mãos suadas, no peito, no coração acelerado, na respiração entrecortada, no cheiro, no tempo investido, nas horas de silêncio, no carinho que virou amor, na história que não aconteceu por ironia do destino.

Não, nosso amor não foi um erro. Nunca seria.

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

Acompanhe! Snapchat @CadeMeuBlush

Me curou a vida inteira.

Datas são poderosas. Números em um calendário podem te fazer chorar ou gritar de alegria. Há meses o dia 22 é pesado aqui dentro. 2 patinhos na lagoa possuem outro significado e faz tempo que mais nenhuma piada relacionada a essa data possui alguma graça. Eu bem sei que é ‘apenas mais um dia’… Mas já percebeu a força que um dia memorável pode ter no seu comportamento? Já percebeu como amanhecer dentro de um pesadelo te transforma num piscar de olhos? Não são passagens lentas… É como um balde de água fria. Você convive com o medo da chegada do dia 22 e sim, na verdade, é só mais um dia como qualquer outro…

É porque hoje acordou rasgando tudo aqui por dentro… Hoje uma mão gelada esmagou meu peito assim que abri os olhos. Hoje tem sol lá fora, mas tá nublado feito serra aqui dentro. Hoje tá ardendo bem mais, hoje o peso é maior, mesmo que seja apenas “coisa da minha cabeça”. Hoje eu me lembrei mais uma vez que você não vai voltar. E essa constatação tá ecoando por todos os cantos… Não, você não tá viajando…

Você não volta mais nem hoje, nem amanhã e nem na semana que vem.

Hoje eu lembro do quanto te amar me dói de uma forma tão linda que ultrapassa qualquer tipo de compreensão… Hoje é aquele dia que as pessoas não conseguirão me enxergar de verdade… É o dia que me permito, no máximo, que me vejam; jamais que me enxerguem por dentro. Hoje o dia vai passar a conta-gotas, eu vou falar com você mas, lá no fundo, não estarei prestando atenção.

Por favor… não me recrimina por isso. Eu tô fazendo o meu melhor, juro, pra não derramar essa angústia toda no seu dia, amiga/o. Por isso não me julga se minha ansiedade não estiver controlada… Só fica do meu lado.

Fica pertinho de mim. O amor me cura; Me curou a vida inteira.

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

Meus pensamentos…

Não era pra ter acabado dessa forma… esse nunca foi o final que eu havia imaginado pra gente. (eu nunca nem imaginei um final pra gente, na verdade). Anyway, se fosse pra ser, tinha muito mais carinho, colo e cafuné na história que eu criei na minha mente. Mas, eu não posso contrariar o destino, muito menos tentar interferir em uma vida já toda pronta. Não posso fingir que não vejo coisas que estão “bem no meio da minha fuça” só porque eu não quero. Não dá pra se enfiar em uma bolha e fugir pra uma cidade cheia de balões e finais de tarde em cima de morros. Não dá. É lógico que eu posso começar a usar todas as minhas armas e apostar todas as minhas fichas em você, afinal, eu ainda nem comecei, sabia? Mas eu não vou fazer isso. Eu optei em recuar. Eu dei um, dois, dez passos pra trás querendo dar duzentos pra frente. Fazer o que, né. Talvez daqui mais um pouco eu nem te enxergue mais. Mas enquanto for possível ver seu vulto bonito na escuridão, eu tenho certeza que meus pensamentos ainda vão estar todinhos direcionados pra você.

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

Flor!

Não faz mal que a gente se machucou o tempo todo e errou muito, muito mais do que podíamos ter acertado. O bonito é que a gente tentou. Eu sempre vou lembrar daquela flor que você juntou do chão e eu espero que você nunca esqueça do brigadeiro que deixei na geladeira.

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

12345678
12345678
123... 8