ELA É TÃO INCRÍVEL, CARA.

Talvez ela não seja mesmo a mais certinha. Eu sei que ela fala demais, que não perdeu ainda aquela mania de te ligar no meio da madrugada quando bebe além da conta, que insiste em algumas coisas que já não fazem sentido, que mete os pés pelas mãos muito mais vezes do que deveria.

Mas ela é tão incrível, cara.

Ela é tão verdadeira, essa intensidade dela é tão genuína… não julga. Não culpa. Não precisa se afastar. Ela é a mulher mais engraçada que eu já conheci e todos os meus amigos gostam dela, isso é verdade. Mas ás vezes ela é atingida bem no meio do peito e acaba agindo como qualquer ser humano: ela erra.

Ela é incrível, mas não é uma heroína. Ela se refaz o tempo todo, logo depois de ser despedaçada, mas não é invencível. Ela respira fundo e engole o choro várias vezes na semana, mas também sofre com a dor da saudade. Ela também tem momentos de fraqueza, e isso não faz dela uma pessoa menos incrível.

Ela pode te assustar às vezes, pode falar muito alto quando está nervosa e pode ser a pessoa mais indiferente contigo quando o peito dela estiver queimando de decepção por alguma merda que tu fez, cara. Então não faz isso… você não vai querer a falta de atenção dela quando você sabe que ter ela por perto é a coisa mais gostosa desse mundo.

Então não deixa ela ir embora da tua vida assim. Não faz tanta merda, sério. Aprende a dar valor para quem te quer bem. Mantém perto, cara. Ela é incrível demais para você soltar ela no mundo desse jeito.

Tu lembras que o sorriso dela te fez acreditar que a Vida ainda é boa demais? Tu lembras que os olhos dela te preenchem quando tu acordas desanimado? Tu lembras que a risada dela te energiza? Então pronto, cara. Protege, cuida. Não faz merda. Sério.

Ela é do tipo de mulher que todo mundo quer ter por perto, então aproveita que ela é assim tão tua.

… porque mesmo você sendo tão errado e fazendo tudo do avesso… ela ainda cuida de você e quer te ver sorrindo.

Natália Vicentini
Natália Vicentini
De mim e dos outros

Blumenauense, formada em Jornalismo e finalizando curso de Direito; usa as palavras quando transborda e não se cabe mais por dentro. Se não escrever, surta. Tenta ser uma pessoa cada vez melhor - nem sempre consegue -, mas, ainda assim, possui "aquela estranha mania de ter FÉ na VIDA". Compartilha suas ideias malucas e seus amores inacabados na página "De mim e dos Outros".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *